Cirurgia Bariátrica e Metabólica

 

Organização Mundial de Saúde estima que, a cada ano, 300 mil pessoas morram em decorrência de complicações causadas pela obesidade. Nem todo obeso pode passar pela cirurgia. Quem se submete ao procedimento precisa estar dentro de certos parâmetros de índice de massa corporea.

Na população obesa, as tentativas de mudanças no estilo de vida culminam em fracassos recorrentes, particularmente nos casos mais graves onde o índice de massa corporal atinge valores superiores a 40 kg/m2. De fato, modificações do padrão alimentar e estabelecimento de atividade física regular podem ser práticas impossíveis de se implementar a longo prazo. Nestes obesos, os inúmeros tratamentos e a oscilação ponderal, além do potencial genético, agravam o quadro clínico. A morbidade associada à obesidade grau III (hipertensão arterial, artropatias, dislipidemias, diabetes, disfunções respiratórias, etc.), gerou o termo “obesidade mórbida” que deve ser abandonado. Sem qualidade de vida e com extrema instabilidade emocional, surge a busca por um tratamento mais eficiente, o qual a medicina responde através da intervenção cirúrgica, na falta de outros tratamentos que possam suprir as necessidades dos pacientes

Para ser bem-sucedido, o tratamento cirúrgico deve vir acompanhado de uma re-educação alimentar e de um estilo de vida mais ativo.

   

Classificação da Obesidade

A classificação da obesidade é de acordo com o IMC =(Peso/altura²)
O aumento de peso atualmente está divido em:

18,5-24,9 - IMC adequado
25,0-29,9 - Sobrepeso
30,0-34,9 - Obesidade Leve
35,0-39,9 - Obesidade Moderada
40,0-59,9 - Obeso Mórbido
> de 60,0 – Obesidade severa

 

Tipos de cirurgias

Está estabelecido que o tratamento cirúrgico está indicado em pacientes definidos com obesidade mórbida (IMC > 35 Kg/m²) que tenham co-morbidades como:
• apnéia do sono
• hipertensão arterial
• diabetes mellito
• dislipidemia
• artropatias
• outras doenças decorrentes do excesso de peso
• ou aqueles pacientes com IMC > 40 Kg/m² independente de haver co-morbidades ou não. Isso porque já foi evienciado que existe um risco muito maior do paciente morrer por complicações clínicas relacionadas à obesidade do que morrer com a realização da cirurgia e os benefícios que ela traz.

Tipo de mecanismo das cirurgias bariátricas:

• Totalmente Restritivos - Causam restrição do estômago. Banda Gástrica Ajustável, Cirurgia de Mason e Cirurgia de Sleeve;
• Mistos e Predominantemente restritivos: os desvios gástricos como o Bypass Gástrico com e sem anel;
• Mistos e Predominantemente disabsortivos: as derivações bileopancreáticas (Duodenal Switch, Scopinaro);
• Totalmente disabsortivo - Bypass Jejuno-Ileal (essa cirurgia foi proibida por complicações relacionadas à alça exclusa);

Muitas vezes, o obeso vem procurar a cirurgia com uma motivação estética, e isso atrapalha. A obesidade não tem cura, tem tratamento. A cirurgia é apenas uma parte. O ex-obeso vai precisar de acompanhamento médico por toda a vida.

 

 

 

 

Consultórios:
Av. Angélica 2503, cj. 66, Higienópolis, tel.: 3257 2398 / 3120 5743.
Hospital Israelita Albert Einstein, Bloco A-1, 4º andar, tel.: 11 2151 9205